22/05/2014

O que eu aprendi




Há tempos eu não escrevia um texto. Quer dizer, eu fazia muitos no ano passado pra aula de redação e continuo escrevendo pro blog e trabalhos de faculdade, mas um texto de verdade, desses de bobeira e que vêm da alma, já viraram raridade na minha rotina.

Então, hoje, criei coragem. Já aviso que pode ser decepcionante, em razão da minha falta de prática e habilidade. Mas, tudo bem, porque quem não arrisca, não petisca. E essa é só uma das (várias) lições que aprendi ao longo desses anos.  

Assim que vim para Florianópolis sozinha para estudar, sabia que minha vida ia mudar muito. Não só em relação ao ambiente ou à faculdade, mas também na minha mentalidade e maneira de encarar o mundo. Eu sinto que a vida está me fazendo moldar uma identidade cada vez mais... própria. Isso é tão estranho e incrível ao mesmo tempo que me dá vontade de sair gritando e dizendo por aí "eu me achei! Eu finalmente me achei!". Mudei meu cabelo, dei uma reformulada no meu estilo, larguei mão de alguns hábitos e aprendi coisas de dona de casa. Não tenho mais medo de firmar uma imagem e personalidades renovadas e isso me faz bem.

Também perdi a mania de me importar com a opinião dos outros. Tudo bem, não vou sair na rua com uma melancia na cabeça cantando Macarena. A questão é que não vejo mais a necessidade de me encaixar em "grupinhos" ou fazer o que os outros gostam só para ser aceita. Na quinta série, eu era vista como nerd e isso me irritava num nível absurdo. Hoje, parecer "estranha" já não é mais problema. Falo alto mesmo, canto, rio de tudo, fico vermelha de vergonha e não vejo problema em expressar minha opinião. Continuo tímida, mas isso faz parte de mim e não tenho como fugir. No final, são essas coisinhas pequenas que nos definem e nos fazem ser únicos em meio a tantas pessoas que só buscam a "perfeição" (se é lá que ela existe). 

E sabe aquela quinta série que acabei de falar? Só depois de um tempo que pude perceber que as amizades de lá, as quais mantenho até hoje, valeram muito mais do que uma popularidade momentânea. Elas também fizeram com que eu selecionasse para meu convívio gente de bem com a vida, de riso fácil e sincero, que não se aproximam por interesse, com bom caráter, que estão sempre prontos para ajudar e que te aceitam como você é. É aquela velha história dos "poucos e bons amigos" que os filmes e livros sempre tentaram ensinar, mas que você nunca dá bola até quebrar a cara. Ou quando, mesmo estando rodeada de pessoas, ainda se sentir sozinha.

Agora, numa era em que as horas voam e que não se tem tempo pra mais nada, passei a amar muito mais minha família, meus amigos, minha terra natal e o mundo. Sou muito grata por eles terem me ensinado a valorizar as coisas simples da vida e gosto desse jeito meio "Amelie Poulain" de ser. Amo o cheiro da chuva, amo as borboletas voando ao redor das flores em um dia ensolarado, amo o cheirinho da comida que aprendi a preparar, amo a expressão das pessoas ao dar uma notícia boa, amo o abraço dos meus pais depois de sair do ônibus, amo usar uma roupa pela primeira vez, amo acordar num dia sem nada programado, amo amar.

E, como a maioria das pessoas que "cresceram", terei de conviver com a nostalgia e com o querer voltar à infância. Mas, não perco as esperanças de que aqueles sonhos do passado ainda terão seus lugares garantidos na minha história.

O que eu busco hoje é diferente do que eu buscava há um ano e fico bem por isso. O que eu busco hoje é só felicidade.



9 comentários:

  1. gostei dessa "tag", faz mais!

    ResponderExcluir
  2. Eu também adorei, parabéns! Continue escrevendo.

    ResponderExcluir
  3. Bárbara, eu acompanho vários blogs há muito tempo, e posso te dizer que foi a primeira vez que me identifiquei com uma 'tag' dessa, sinceramente você está de parabéns menina, não só pela coragem de ter escrito o que muitas não escrevem, mas também pelo seu esforço, sua dedicação, seu blog (claro!) e por muitas outras coisas boas que sei que você ainda tem a demonstrar. Muitas e muitas mudanças ainda virão pela frente, e tomara que você ainda tenha esse blog maravilhoso pra eu acompanhar as coisas boas por qual você passará. Um grande abraço de uma admiradora e leitora. Mariana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pelas suas palavras, Mariana! E que eu possa continuar com o blog por muito tempo para poder mostrar todas essas mudanças que estão por vir <3
      Bjs!

      Excluir
  4. Me emocionei Bárbara, estou passando por uma fase parecida com a sua. E como seguidora fixa do blog me sinto mais intima com as tuas palavras, como se fosse uma conversa de amiga. Continue assim, sucesso!

    ResponderExcluir
  5. AI Meu Deus acho que chorei :') você escreve muito bem e parabéns por pelo seu trabalho, nunca conheci alguém que falasse (escrevesse) com tanta naturalidade como você..... DIVOU COM ESSE E TODOS OS SEUS POST's

    ResponderExcluir